Ideias para apoiar a saúde de mães e filhos

Por Christina Sweeney, departamento de engajamento e serviços do Rotary

Segundo a Organização das Nações Unidas, a pandemia de covid-19 interrompeu, e em alguns casos até reverteu, o progresso conquistado na saúde global. E isso sem contar a diminuição da expectativa de vida. Nos dias de hoje, é crucial disponibilizar assistência médica de qualidade e promover o bem-estar humano, especialmente àqueles mais vulneráveis dentre nós, como mães e filhos.

Com isso em mente, o Rotary viabiliza assistência e treinamento às comunidades visando aprimorar os serviços na saúde materno-infantil. Alguns exemplos dessas ações são a triagem itinerante para diagnóstico de câncer na Índia, as clínicas móveis de pré-natal no Haiti, e o suporte ao parto domiciliar na Nigéria. Nossos associados também se dedicam a garantir que mães e filhos possam ter um futuro saudável. Alguns exemplos:

Continuar lendo

Rotary: projeto traz mais eficácia ao tratamento de fissurados

Por Aurea Santos, especialista em Comunicação no escritório do Rotary International no Brasil

Todos os anos, cerca de seis mil crianças no Brasil nascem com fissura labial ou fenda de palato. Até 2019, os pacientes desse tipo de fissura que se tratassem em Brasília, no Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), não contavam com aparelho para a visualização adequada das fissuras. Foi aí que um projeto do Rotary Club de Brasília-Leste entrou para fazer a diferença.

Atualmente, cerca de 200 pacientes por mês se beneficiam de aparelho doado pelo Rotary
Continuar lendo

Desafiando o status quo

Por K. V. Mohan Kumar, presidente fundador do Rotary Club de Bangalore Prime, na Índia

O Rotary está constantemente em processo de mudanças, o que é essencial para continuarmos relevantes. Este pensamento vai ao encontro das palavras de Paul Harris, quando disse:

“”Este é um mundo em constante mutação, e nós devemos estar preparados para mudar com ele. A história do Rotary terá de ser reescrita muitas e muitas vezes.”
PAUL HARRIS, THIS ROTARIAN AGE, 1935

São muitos os fatores que impulsionam mudanças no Rotary:

  • nossas lideranças mudam anualmente, trazendo à cena novos objetivos e metas, como também, novas maneiras de atingi-las.
  • as necessidades dos associados atuais e potenciais mudam à medida em que a sociedade vai se transformando. Isso pede que a organização seja mais flexível quanto a opções de se reunir, tipos de clubes e de associados.
  • avanços na tecnologia, como as oferecidas pelo site www.rotary.org, o Rotary Club Central e as plataformas virtuais e híbridas de reuniões.
  • mudanças que ocorrem nas comunidades e ecossistemas em que operamos.

    Como toda mudança traz oportunidades e riscos, nunca é fácil mudar o status quo. Porém, é importante que o questionemos pois, ao fazê-lo, podemos conversar mais a fundo sobre nosso propósito e relevância.

O desejo de implementar projetos maiores, melhores e mais ousados faz com que o questionamento do status quo deixe de ser opção para se tornar necessidade, necessidade esta que pode ser sanada. Temos ao nosso dispor várias plataformas de aprendizagem e já somos uma organização que advoga a favor de causas nobres, que abraça a diversidade global. Isso deixou de ser uma possibilidade e se transformou em realidade, colocando-nos em melhor posição para lidar com as mudanças.

Eu aderi à visão estratégica do Rotary e sei que o Plano de Ação é o veículo de mudança que precisamos para melhor posicionar o Rotary. Assim fazendo, a nossa organização será capaz de sempre atingir o seu potencial pleno.

E, assim, continuaremos trilhando este caminho do novo normal, observando e aprendendo com as mudanças que acontecem ao nosso redor.

Grupo de Companheirismo salva vidas promovendo a saúde

Por Imelda Mercedes Medina, MD-MPH em saúde e prevenção de doenças, presidente do Grupo de Companheirismo de Saúde Pública e da entidade Familias Unidas International, Inc. 

“O futuro é feito por nós… A existência de cada um está intimamente ligada à existência de todos. A vida não é apenas o tempo que passa; ela é pontilhada de interações humanas … Basta uma única pessoa para que a Esperança exista. E esta pessoa pode ser você.” 
Papa Francisco

Para nós, associados do Rotary, apoiar as nossas áreas de enfoque envolve proteger a saúde das pessoas e salvar vidas. É mais fácil atingir estes objetivos com a assistência do Grupo de Companheirismo de Saúde Pública. Promovemos esta abordagem colocando o ser humano no cerne dos cuidados médicos, participando de conferências, organizando webinars e desenvolvendo outras iniciativas de saúde pública. Neste processo, nós aprendemos muito e nos divertimos.

Continuar lendo

Um giro por 2022 no Rotary

Por Aurea Santos, especialista em Comunicação no escritório do Rotary International no Brasil

O ano de 2022 está acabando e, de todos os acontecimentos importantes no Rotary nos últimos 12 meses, a volta dos encontros e eventos presenciais é, sem dúvida, o mais marcante em nossa organização. O Rotary foi criado para unir pessoas e, depois de dois anos afastados, pudemos realizar reuniões, conferências, institutos e, finalmente, nossa primeira convenção presencial desde 2019.

E se é muita coisa para lembrar, fizemos aqui um resumo dos destaques rotários desse ano. Vem conferir com a gente:

A convenção em Houston reuniu associadas e associados de diversas partes do mundo
Continuar lendo

Orientações para projetos na área de água, saneamento e higiene

Por Brian Hall, presidente do Grupo Rotary em Ação pela Água, Saneamento e Higiene

Durante o último ano, o Grupo Rotary em Ação pela Água, Saneamento e Higiene (WASH) esteve extremamente ocupado. Tivemos a Cúpula Mundial da Água, realizamos uma série de webinars sobre WASH em instituições de saúde, analisamos subsídios, fornecemos apoio educacional e continuamos promovendo nossa causa aos associados do Rotary.

Continuar lendo

Como participar do Intercâmbio Rotário da Amizade

Por Gianna Consalvo, Engajamento e Serviços do Rotary

Estruturado em torno de aspectos culturais, profissionais ou com fins de voluntariado, o Intercâmbio Rotário da Amizade dá a seus participantes a chance de conhecer outros países, prestar serviços e expandir sua compreensão e perspectiva globais.

Muitas vezes, o intercâmbio leva à formação de relacionamentos de longo prazo e parcerias entre as pessoas e os distritos.

Continuar lendo

Trabalhar pelo fim da malária na Zâmbia é algo pessoal

Por Eric Liswaniso, associado do Rotary Club de Ndola e do Rotaract Club de Lusaka, Zâmbia 

Uma das coisas mais frustrantes sobre a malária é o sofrimento evitável que ela impõe às famílias. A morte de uma criança ou de um dos seus pais, a perda de trabalho ou a instabilidade econômica podem ser devastadoras.

Eu perdi meus pais bem cedo e a vida se tornou muito difícil para mim e para meus irmãos. Felizmente, com a ajuda de familiares, pude completar minha educação e apoiar meus irmãos mais novos. Mas, aquela experiência me despertou para a situação difícil que muitas outras pessoas enfrentam e entendi como a perda de um pai ou mãe leva a uma vida inteira de sofrimento. Hoje, sou casado e tenho uma filha de dois anos, portanto, combater a malária – que afeta particularmente crianças menores de cinco anos e mulheres grávidas – é uma questão pessoal. 

Continuar lendo

Como seus projetos podem apoiar mães e filhos

Por Nyreese Castro-Espadas, gerente das áreas de enfoque “prevenção e tratamento de doenças” e “saúde materno infantil”

Saúde materno-infantil refere-se à saúde da mulher durante a gestação, o parto e o período pós-natal, e à saúde das crianças menores de cinco anos.

De acordo com a OMS, nos países em desenvolvimento, 1 em cada 45 mulheres corre o risco de morrer por causas relacionadas a gestação, parto e cuidados pós-natal, em comparação com 1 em 5.400 nos países desenvolvidos. Cerca de 94% das mortes maternas ocorrem em países em desenvolvimento, e 80% delas podem ser evitadas com acesso a serviços de saúde reprodutiva, assistência pré-natal, atendimento especializado durante o parto e apoio após o nascimento do bebê. Além disso, estima-se que 5,2 milhões de crianças com menos de cinco anos tenham morrido, em sua maioria, de causas evitáveis e tratáveis.

Continuar lendo