“Ainda não estamos fora da pandemia”

Entrevista com o CEO da Biontech, o rotariano Ugur Sahin

A entrevista original foi conduzida por Björn Lange, editor-chefe da Revista Rotary para Alemanha e Áustria, e publicada em 1 de agosto de 2021 no site rotary.de.

Detalhes pessoais:

Ugur Sahin (associado do Rotary Club de Mainz 50° North) é um pesquisador em oncologia, imunologista e, como fundador e CEO da Biontech SE, um dos principais desenvolvedores do mundo de vacinas contra a Covid-19.

Ugur Sahin não é um homem dado a grandes gestos e palavras vazias; o que conta para ele é a ciência. Junto a sua esposa Türeci e a Christoph Huber, ele fundou a empresa Biontech em Mainz em 2008. Em 9 de novembro de 2020, a notícia que todos estavam esperando se espalhou pelo mundo: uma vacina efetiva havia sido encontrada. A Biontech vem vacinando desde dezembro e, desde o final de março deste ano, com os resultados visíveis da vacinação, as ações da Biontech SE vêm disparando.

O rotariano Ugur Sahin: na vanguarda da produção das vacinas contra a Covid-19

Qual é o maior desafio em entregar uma vacina para crianças e adolescentes?

A vacina é a mesma que para os adultos, mas precisa ser dada em doses diferentes. Os adultos recebem 30 microgramas de nossa vacina, crianças jovens recebem cerca de 3 microgramas. Uma dose de adulto poderia ser usada para vacinar dez crianças se necessário. A quantidade da vacina não é a limitação. Ainda leva um tempo para fazer um progresso suficiente no desenvolvimento clínico, geração de dados, testagem, e o processo regulatório. Já submetemos dados para adolescentes de 12 a 15 anos de idade, e os resultados dos estudos para seis a onze anos de idade estarão disponíveis provavelmente em setembro. Mas isso não significa que podemos começar imediatamente, porque primeiro as autoridades têm que analisar os dados e decidir se aprovam o produto.

E depois há as pessoas mais idosas que foram vacinadas primeiro no final do ano passado e agora precisam de um reforço. Recentemente, foi divulgado que aqueles vacinados com a vacina da Biontech não precisariam de reforço.

Essa notícia foi um tanto incorreta. Houve uma publicação na (revista cientifica) Nature que apontou que certas células imunes são formadas e ficam em nós por toda a vida. A partir daí, deduziram que a vacinação dura uma vida inteira. Estas células imunes garantem que quando a pessoa é revacinada, o corpo muito rapidamente desenvolve uma reposta de memória imune. Então, o corpo sabe como responder porque já fez isso antes. Temos dados que mostram que a proteção da vacina diminui com o tempo, então, você se torna mais suscetível à infecção novamente. Assim, vacinações de reforço poderiam fazer sentido, mas cabe às autoridades de saúde e comissões de vacinação decidir sobre isso com base em dados coletados cientificamente. Em minha opinião, no entanto, seria importante vacinar todos que querem ser vacinados primeiro e depois começar tudo de novo – essa seria uma abordagem lógica.

Com a variante de origem, foi dito inicialmente que 70% das pessoas infectadas não apresentaram sintomas. Acontece algo similar com a variante delta?

Com a variante original, cerca de dois terços das pessoas mais jovens era assintomática, e somente um terço das pessoas mais velhas também era. Não estou ciente de que isso seja diferente com a variante delta, mas a variante delta é claramente mais infecciosa. Isso significa que uma pessoa infectada transmite o vírus para uma média de seis a sete pessoas em vez de três, como era o caso inicialmente.

Christian Drostren disse recentemente que 100% da população será inevitavelmente imunizada no próximo ano e meio – seja pela vacinação ou por infecção natural. Você compartilha dessa visão?

(Drosten é um imunologista alemão cujas pesquisas focam em novos vírus. Durante a pandemia de Covid-19, ele ficou em evidência nacional como especialista nas implicações e ações necessárias para combater a doença na Alemanha).

Eu compartilho a essência de sua declaração, porque a menos que você viva em completo isolamento, muitas pessoas irão se infectar em algum momento. Em um ano e meio, poderíamos alcançar de 95% a 97% de imunidade. O que ele está realmente dizendo é: você pode escolher ser vacinado ou você muito provavelmente ficará doente em algum momento.

Por quanto tempo vamos precisar de vacinas contra o coronavírus? Somente por este ano e meio ou por muito mais tempo?

Porque a proteção da vacina declina com o tempo, há dois cenários: no primeiro, os países declaram que a incidência da infecção é secundária desde que o número de leitos de UTI seja suficiente. Nós presumimos que a vacinação proteja contra a forma severa da doença por muito tempo. Nós não sabemos por quanto tempo este ainda vai ser o caso, estamos coletando dados sobre isso. No segundo cenário, o objetivo é prevenir infecções e a doença. Isso requer que vacinações de reforço sejam realizadas com maior regularidade. Poderia haver vacinação de reforço uma vez por ano, por exemplo, na qual a vacina também seja adaptada para as atuais variantes.

Você disse em uma entrevista cerca de um ano atrás, “a cooperação é absolutamente a chave para este desafio global. Não há qualquer discussão sobre se uma vacina deva estar disponível somente para a China, Alemanha ou Estados Unidos”. O que você pensa sobre o clamor para dar a fórmula da sua vacina para países de terceiro mundo?

A receita em si não é o problema, os ingredientes estão listados na embalagem. O que é crucial é que a produção é muito complexa. Mesmo em um ambiente industrial altamente experiente, este processo leva cerca de um ano. É por isso que a primeira coisa que temos que fazer agora é tornar a vacina disponível a partir dos módulos de produção que estão atualmente funcionando em sua capacidade máxima. E vamos fazer isso funcionar. Vamos enviar um total de dois bilhões de doses nos próximos 18 meses para países de baixa e média renda apenas de nossa rede de produção com a Pfizer. Nós também querermos transferir nossa tecnologia para parceiros em quem possamos confiar, mas isso leva tempo. A produção tem que ser liberada pelas agências regulatórias. É preciso cerca de 100 testes analíticos para liberar uma vacina para garantir com confiança a sua segurança. E os padrões de qualidade devem ser os mesmos em todo o mundo.

Quantos tipos de variantes do coronavírus você já sabe que existem e quantas outras mutações mais perigosas você prevê que possam surgir?

Há inúmeras mutações. Todos que carregam o vírus carregam centenas de milhares de mutações em seus corpos, porque o vírus muda constantemente. Nós distinguimos mutações que podemos mais ou menos ignorar, aquelas que temos que observar, e as que temos que considerar muito seriamente. Temos programas de bioinformática que nos fornecem dados e nos dizem onde cada variante está surgindo. Então, sabíamos sobre a variante delta com bastante antecedência.

Mesmo antes da pandemia de corona, estavam sendo feitas pesquisas de vacinação contra o câncer usando RNA mensageiro (mRNA). Por meio do mRNA, moléculas de proteínas que são típicas de células cancerígenas são introduzidas no corpo. Desta forma, o sistema imunológico deveria aprender a reconhecer e destruir as células doentes em um estágio inicial. Você vai continuar a fazer pesquisas nessa área e como avalia as perspectivas de sucesso?

Nós já fazemos, muito intensamente. Contra o câncer, contra doenças autoimunes, contra outras doenças infecciosas. No caso do câncer, no entanto, não é uma descoberta no sentido de que, de repente, você quebra uma parede e encontra a solução, mas sim, de anos cavando até que o túnel esteja construído em meio às montanhas. Estamos indo bem, pudemos coletar dados encorajadores nos últimos anos, e até mesmo começamos estudos de fase dois. Nosso plano é submeter as primeiras vacinas contra o câncer para aprovação nos próximos anos.

O que o Rotary significa para você?

Está alinhado à nossa autoimagem: seja útil. Fundamos a Biontech com o objetivo de melhorar a saúde de muitos pacientes com as nossas inovações. E é nisso que vamos trabalhar juntos até alcançarmos nosso objetivo.

Uma resposta em ““Ainda não estamos fora da pandemia”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s