Revisitamos o projeto que beneficiou o Vale do Ribeira, interior de São Paulo

Em junho de 2017, divulgamos a iniciativa que causou impacto na vida de mães e filhos do Vale do Ribeira, SP. Convidamos Lina Harumi Shimizu e Antonio Carlos Misawa, que são respectivamente dos Rotary Clubs de Registro-Ouro e de Registro, os empreendedores do projeto, para falar mais um pouco sobre ele e seus planos futuros.

1)    Como nasceu a relação de irmandade entre os Rotary Clubs de Registro, SP, e os dois Rotary Clubs de Nakatsugawa, no Japão?

Lina: Em 4 de agosto de 1980 foi firmado o convênio entre as cidades-irmãs de Registro, estado de São Paulo e de Nakatsugawa, província de Gifu. Desde então, a cada dois anos e meio existe a visita mútua. A Comitiva de Nakatsugawa visitará a cidade de Registro em outubro de 2018, e a Comitiva de Registro deverá visitar Nakatsugawa em 2020.

A grande maioria dos integrantes é do Rotary, e há alguns associados do Lions Club.

Trabalhei como Coordenadora de Relações Internacionais no Governo da Província de Gifu de 2003 a 2006, pelo JET Programme. E estreitamos ainda mais os laços de amizade por eu ter ingressado no Rotary Club de Registro-Ouro no ano de 2001. O ex-presidente da Associação de Cidades Irmãs de Nakatsugawa, Sr. Suzuki Yoshinobu, e sua esposa já haviam visitado Registro mais de 5 vezes até 2003 e me tratavam como “filha”.

Assim, conseguimos realizar vários projetos, entre eles um Subsídio Equivalente para o Lar dos Velhinhos (2003, US$7.500); doação de US$25.000 para o Hospital São João de Registro (2008, sem Subsídio Equivalente; e o Subsídio Global que beneficiou a UTI Neonatal do Hospital Regional Dr. Leopoldo Bevilacqua (2016).

Antonio Carlos: Durante as comemorações do centenário da imigração japonesa no Brasil, as duas cidades se decretaram cidades-irmãs.

Renato Mitsuo Lina

Renato Haiek (RC Registro), Mitsuo Hara (RC Nakatsugawa) e Lina Shimizu (RC Registro-Ouro) em encontro no Japão.

2)    Há alguma possibilidade de reproduzir este projeto em outros hospitais do interior de São Paulo?

Lina: Para o nosso clube será difícil reproduzir este projeto em outra cidade do interior de São Paulo, devido às distâncias.

Antonio Carlos: Há possibilidade de realizar este projeto em outros hospitais desde que haja clubes parceiros do exterior interessados em investir. Também deve haver colaboração da governadoria e dos rotarianos do Distrito, e um corpo técnico na área de saúde materno-infantil.

3)    Ainda dentro da área de enfoque “saúde de mães e filhos”, vocês pensam em expandir o alcance da iniciativa com uma creche, por exemplo, para as mães terem um lugar para deixar os filhos enquanto trabalham?

Lina: Os Rotary Clubs de Registro e Registro-Ouro já mantêm a Creche Sahei Ussuki, mais conhecida como Creche Nosso Ninho, com atendimento a 120 crianças de famílias carentes. A construção é da própria creche. O Rotary Club de Registro realiza eventos e doa em torno de 20 a 30 mil reais por ano a este projeto.

Antonio Carlos: Este nosso projeto ainda tem acompanhamento dos rotarianos. No ano de 2016, através do Subsídio Distrital, realizamos a reforma e ampliação da brinquedoteca neste mesmo hospital, com apoio de todos os clubes da região. Além disso, os clubes já possuem um projeto permanente há 45 anos, também idealizado pelo Rotary Club de Registro, mas mantido pelos clubes de Registro e de Registro-Ouro.

4)    Depois deste bem-sucedido projeto, quais os próximos planos do seu clube na arena humanitária?

Lina: O clube pretende fazer um projeto de um hemocentro, ou seja, um banco de sangue, mas ainda não temos detalhes.

E para se pensar em projetos maiores teríamos a dificuldade de arranjar clubes parceiros no exterior. A não ser que os Rotary Clubs de Nakatsugawa e Nakatsugawa Center queiram fazer uma nova parceria.

Antonio Carlos: O Rotary Club de Registro já trabalha a pleno vapor em um novo projeto humanitário na área de saneamento, visando o abastecimento de água e esgoto para um bairro rural com cerca de 80 residências desassistidas pelo poder público.

Lina e casal nas cataratas

Lina nas Cataratas do Iguaçú entre o casal Ritsuko (in memoriam) e Yoshinobu Suzuki (RC Nakatsugawa)

*Quer contribuir para o nosso blog? Mande ideias, sugestões de posts ou uma história pessoal relacionada ao Rotary para globalcommunications@rotary.org.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s